Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Produtores rurais aceleram obras de área de escape de aeroporto

área de escape
Em 11 dias, cerca de 150 produtores rurais ampliaram a área de escape do Aeroporto de Santo Ângelo (RS). De acordo com o governo do Rio Grande do Sul, as obras levariam 6 meses (Reprodução/Youtube/ACSA)

Em 11 dias de trabalho, cerca de 150 produtores rurais de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul, construíram uma área de escape para o aeroporto da cidade. A obra, que vinha se arrastando desde 2014, custaria 2 milhões de reais e seria realizada em seis meses, de acordo com o governo do Rio Grande do Sul. No entanto, os produtores rurais levaram 11 dias e gastaram 200 mil reais com combustível. A obra contou com o apoio do curso de engenharia civil da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI).

Desde 2014, autoridades locais demandavam áreas de escape maiores para o Aeroporto de Santo Ângelo. Os maiores aviões que poderiam pousar ali eram os ATR-72 que a Azul bem como a VoePass operam. No entanto, a Gol pretendia operar voos com os Boeing 737 ali, o que não podia graças às pequenas áreas de escape. Para os 737 voarem para lá, essas áreas deveriam ter pelo menos 60 metros de largura e 90 metros de comprimento.

As autoridades locais procuraram o governo gaúcho para realizar as obras. Depois de estudos, o Departamento Aeroportuário do Rio Grande do Sul determinou que, entre licitação e execução da obra, a ampliação iria levar cerca de 6 meses, além de custar 2 milhões de reais. Foi, então, associações, sindicatos, o aeroclube e empresas locais decidiram agir.

Mutirão

Associação Comercial, Cultural, Industrial, Serviços e Agropecuária de Santo Ângelo (Acisa), o Aeroclube de Santo Ângelo, o Sindicato Rural e empresas da cidade fizeram um mutirão para realizar a obra. No total, juntaram mais de 150 trabalhadores e 100 máquinas para ampliar a área de escape. Além das obras, os trabalhadores ainda cuidavam da manutenção e alimentação dos envolvidos. A obra ainda contou com o apoio do curso de Engenharia Civil da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI). A universidade certificou que a área de escape era adequada para um aeroporto.

Dessa forma, as obras começaram em 11 de julho e, no dia 22, a área e escape já estava pronta. De acordo com a imprensa local, as chuvas na região ainda atrapalharam a obra, que levariam ainda menos tempo. No total, a obra movimentou 56 mil m³ de terra e, depois da compactação, a área de escape ocupou um volume de 40 mil m³. Segundo o Canal Rural, os produtores rurais gastaram 200 mil reais com combustível para as máquinas. As despesas ficaram a cargo da Prefeitura Municipal de Santo Ângelo.

YouTube player

Enfim, quer saber de mais histórias da aviação? Então nos siga no TwitterInstagramFacebook e TikTok.

+ do Blog Aviões e Músicas
logo aem site rodape 2

Um portal feito para leigos, entusiastas, curiosos, geeks, amantes de aviões, aeroportos e viagens.