Categorias:

Glamour, espaço para as pernas e comida

Você acha que a aviação de hoje perdeu o glamour?
Nos primórdios da aviação comercial, nos anos 20 do século passado, os aviões eram estreitos, sem isolamento acústico ou térmico, alguns nem revestimento interno tinham e os passageiros voavam desconfortavelmente sentados em cadeiras de vime, passando frio e calor e cheirando óleo queimado. Impossível ver algum glamour nisso, não é?

Só que mesmo assim os passageiros estavam muito bem vestidos porque era assim que as pessoas viajavam de avião no passado. Transporte na época era o trem e o navio, com muito espaço e permitindo esse tipo de vestimenta. Porque viajar de avião seria diferente? O glamour estava nos passageiros.

Mas tudo começou a mudar quando apareceram máquinas voadoras que queriam competir com os navios nas viagens de longa distância. E surgiram os primeiros navios voadores, os dirigíveis. Como não dava para passar 112 horas sentado em cadeiras de vime de Frankfurt até Nova York, os dirigíveis eram hotéis voadores.

E para oferecer o máximo de conforto a esses passageiros eles tinham à bordo uma cozinha com um chef para preparo de comida, salões para refeições, dormitórios privativos, salas para fumantes e até uma sala de música com um piano em alumínio no caso do Hindenburg. O custo de uma passagem de Frankfurt a Nova York (só de ida) era equivalente ao valor de um carro da época, e o luxo que era voar nele tinha de fazer valer esse preço. O glamour agora passava também a existir na aeronave.

Alguns fabricantes de aviões tentaram a concorrência com os navios, criando os hidro-aviões, que também eram chamados de barcos voadores ou flying boats em inglês. Um dos primeiros foi o Dornier DO-X de 1929 ,que com seus 3 andares e 12 motores transportava 66 passageiros em assentos que se transformavam em camas. Ele também tinha um bar, sala de estar, sala de jantar e sala para fumantes.

Mas o ponto alto dos barcos voadores da Pan American foi em 1948 com a chegada dos Boeing 314. Esses aviões eram o que de mais luxuoso havia nas viagens aéreas.Para oferecer conforto aos passageiros o 314 tinha uma área de estar e de jantar e as cozinhas eram comandadas por chefs de hotéis quatro estrelas. Homens e mulheres tinham vestiários separados, e mordomos de jaleco branco serviam refeições de cinco ou seis pratos com talheres de prata. O padrão de luxo dos Boeing 314 da Pan American raramente foi igualado no transporte mais pesado que o ar desde então; porém eram viagens apenas para os super-ricos

Será que a aviação de hoje perdeu mesmo o glamour?