Nestes dias de muita chuva tenho twitado as tempestades que ocorrem sobre Guarulhos através de uma convenção usada diariamente na aviação chamada METAR (Meteorological Aviation Report).
Claro que quem não é da área ou não tem fissura por aviação não consegue interpretar o código do METAR, mas como tem havido perguntas pelo twitter, vamos dar uma olhada em como interpretar os códigos.
Hoje por exemplo, na hora da tempestade estava assim:

GRU 1927 011900Z 22006KT 9999 TS VCSH BKN035 FEW045CB BKN100 27/19 Q1016

GRU = Código IATA do aeroporto de Guarulhos, onde foi feita a medição meteorológica.
1927 = Hora Zulu atual (GMT, em São Paulo no horário de verão é GMT -2)
011900Z = Dia do mês (01) seguida da hora zulu em que foi feita a medição (1900Z)
22006KT = Direção e velocidade do vento, em graus e nós. A direção é sempre de onde vem o vento, no caso 220 o vento vem de sudoeste com uma velocidade de 6 nós (11,11 km/h)
9999 = Visibilidade predominante em metros, no caso 10Km de visibilidade (a máxima).
TS = Thunderstorms, ou tempestade na área do aeroporto. Bicho feio.
VCSH = Vicinity Showers – Chuva leve na vizinhança do aeroporto
BKN035 = 7/8 de cobertura de nuvens a 3500 pés
FEW045CB = 2/8 de nuvens a 4500 do tipo CB (cumulus nimbus) .. isso é ruim.
BKN100 = 7/8 de nuvens a 10.000 pés
27/19 = Temperatura / Ponto de Orvalho
Q1016 = Pressão barométrica

Para saber todas as possíveis variações do código demora um pouco, mas você pode colar enquanto não adquire a prática..rs
Abaixo um arquivo legal que tem no site militar da Redemet, de onde retirei para fazer este post. Basta passar o mouse sobre o bloco específico de códigos e aparece a explicação embaixo.
Lá no site tem várias informações muito interessantes sobre meteorologia.



Share:

administrator

Graduado em Manutenção de Aeronaves, com muito bom senso :) 30 anos de aviação comercial (e contando), de Lockheed Electra à Boeing 787. Tentando simplificar a complexidade da aviação.